The Thriller / Filmes do Gênero Thriller

Em português

Do you like to sit on the edge of your seat? Do you enjoy feeling anxious, being scared and fearing for the protagonist’s life? Or to admire a brilliant antagonist? Or to squeeze your brain trying to find a way out for your favourite hero and not be able to? This is what a Thriller is about.

This Euroscript workshop Thriller Movies” is part of the series “Genre and Development” Evening training sections I attended in April this year. The series include monthly sections on: RomCom, Horror and Noir, Social Drama and Coming of Age, Gangster and Detective, and True Story and Historical – the last one I wish to attend if I’m still in the UK, in November.

I decided to attend the Thriller one because I’m writing a novel which has elements of Thriller, although the workshop is focused on writing for the screen. Despite my slightly different agenda, it suited me well and I improved my understanding of that type of story, which I can apply to my novel.

First, a little bit on Genre.

Understanding genre, according to the trainer Charles Harris, is crucial to a better understanding the audiences’ expectations, which will allow you to deliver them with a ‘twist’. This is a challenge: to raise expectations and fulfil them in an unpredictable way, otherwise audiences feel either frustrated or cheated. Therefore, understanding what the audiences’ expectations are for the story you’re creating, understanding genre, is very useful.

On the other hand, not all stories fit into one specif genre and trying to squeeze a story into a mold may damage it. Most films contain elements of different genres, although are likely to (and should) focus more on one, which will determine its primary driving force and determine the primary range of expectations. However, each genre used in your film should be satisfying and fulfilling in themselves. It can be incredibly hard, at times, to identify the genres within the script or story you’re writing.

Genres’ main distinctions

According the Euroscript, there are three main distinctions when it comes to genre. Some of them are about:

Form: Parody, Fable, Soap, True Story, Docudrama, Documentary, Games and TV formats such as News, TV sitcom, Advertisment, Game Show etc.

Style: High style (Oscar winner!), Independent, Art House, Musical, TV Movie, Music Video, Thriller etc. 

Type: Horror, Crime (Gangster/Detective), Drama (Coming of Age, Rite of Passage, Road Movie, Medical Drama, Political Drama etc), Historical Epic, Sci-Fi, Fantasy/Supernatural, Biopic, Sports, Comedy, War Movie etc.

Audiences’ expectations and emotions

The main questions to be asked when it comes to the audience’s experience are:

. What kind of film it is? (raise expectations)
. What do audiences expect from that kind of film? (satisfy expectations)
. Is it predictable or fresh? (surprising)

Expectations have everything to do with emotions. Was the film able to make you feel those emotions? Some of them are quite basic and straightforward: Was the horror story scary? Was the comedy funny? Did the thriller make you sit on the edge of your seat? Not all will offer such easy answers but, in any case, you need to know what are the emotions you want people to feel when they watch the film you wrote.

The main challenge of all genres is to find new approaches, new things, a freshness. Why Terminator works for me? When you tell your friends: I watched this amazing film! It’s the story of a girl who will become, in the future, the mother of a rebel hero who will protect the world from machines who have taken over power and are wiping out humanity. A machine has been sent from the future to kill her and prevent her from giving birth to that guy. Ok, sounds great but what’s really awesome about it? The bloody thing is indestructible! I mean: virtually impossible to kill.

Terminator 2 is awesome too because the bloody thing became even more impossible to destroy – and it can turn into anything: a person, a floor, a steel blade! How can she possibly escape? Up till then, monsters were mean and horrible things (or people) but they could be killed. It may cost a lot of people’s lives, even self-sacrifice, but they could be destroyed. This is a monster that can’t. It is, of course, destroyed in the end. Or… is it?

The Thriller Movie

There are many resources about genre and different authors will have a different take on them. TwelvePoint.com offer many brilliant articles about that. I will not, therefore, dwell too much on talking about genre but on what I’ve learned about a specific one: the Thriller.

The key emotions in a thriller are: to scare, put you under suspense, and on the edge of the seat.

Thriller has many parallels with Horror and, at times, the films are a combination of both – either with “natural” horror, when the monster is, for instance, a serial killer (Silence of the Lambs) or a hit man (Collateral); or “supernatural”, when it is an alien (Aliens), an animal (Jaws) etc. In this case, the writer must also deal with the issues that come with Horror: the protagonist is active and not overwhelmed, there’s a trap (also an escape route), it has atmosphere. It can also be based on other genres, like Action (Die Hard), Adventure (The Day of the Jackal), Film Noir (Blue Velvet), Crime (The Wrong Man) and others.

One crucial element for a thriller is credibility. The audience has to believe, beyond a reasonable doubt, that there’s no loophole by which the protagonist can escape. Plot has to be flawless and the characters’ motivations rock solid. Therefore, research is essential – it ensures procedures are solidly portrayed and crucial details are convincing.

Elements of Thriller to consider

In terms of style and pace, there are some major elements to consider:

. Don’t forget to thrill. Believe me, some thriller writers think more about the action itself (sequence of actions or events) rather than building up and keeping suspense high. There must be a very high proportion of very tense scenes which progressively build up in intensity.

. Don’t be hung up in explanations, set ups. Therefore, Charles’ advice is: don’t apologise, don’t explain, don’t write boring set up scenes. In his words: “plunge the audience straight in, and drip-feed them information only once they are begging for it.” Questions are good – better than answers.

Take a look at screenwriter John August’s brilliant post about how to deal with complex concepts that are important for the plot (How to explain quantum mechanics). In this post there’s a particularly simple, elegant solution (take away the question), for the potential “trap” of Minority Report‘s explanation of the science of precognition. Note that August wrote that scene.

. You must to, however, introduce the audience to the protagonist’s “normality” before you disrupt it. This is crucial because you, as audience, must care about the protagonist. If they don’t care about what happens to the hero/heroine,why the hell are they going to fear, feel anxious or cheer for him/her? Charles talks about establishing the character then forcing him/her to face his/her inner flaws and overcome them.

In Collateral (written by Stuart Bernie), for instance, the cab driver’s normality is established from the start and so is his inner flaw: he wants to fulfil his dream (to have a limo service) but he doesn’t really act on it. By the end of his journey as a protagonist (his ordeal in Vincent’s hands), the cab driver is forced to learn he cannot just ‘run away’ anymore, he has to face his enemy and act on it. And he does it. His lesson, therefore, is learned and it is likely it will enable him to achieve his dream in the future.. Danger is a crucial element. The protagonist must be in danger most of the time.

. Stakes have to be clear and high. This normally shows in the antagonist’s worse, gory, actions – he/she is bad, is exceptionally good at whatever he/she does, and he/she does it nastily and his/her actions are seen as early as possible. Stakes will include: life and death, severe pain, hero’s family or close friend in danger etc. In Training Day (with Ethan Hawke and Denzel Washington), the protagonist has a gun shoved on his face in the first five minutes of film by the man who is supposed to be his tutor. It’s a strong message from the start and it establishes early on: I’m going to spend two hours with an unpredictable and dangerous man who has his own agenda.

. There needs to be moments of respite. They might be brief and many films use humour (carefully embedded) as respite. But it gives the audiences a brief break to catch their breaths, after all they know worse things are coming and this give them some time to breathe. It also allows the character’s inner story to sink in.

. Always remember – in any genre, in fact: questions are more important than answers. Don’t set up the characters, give them questions. In Thrillers (actually in most genres) characters need to be established early because we need to be able to care about what’s going to happen to them in order to engage with the story.

The protagonist’s inner flaw

The protagonist, as I said above, must overcome his or her inner flaw. Charles will not stop stressing this. Whilst the outer story of the film will centre on the fight of the protagonist to overcome or escape from the antagonist; the inner story will focus on the flaws that gave rise to it in the first place. Charles says:

“This will be internal to the character – some fault, guilt or other mistake. The flaw may have caused the antagonist to turn against her/him – but whether or not the original problem is his/her fault, his/her inner flaw is what prevents her from escaping or overcoming his/her enemy for much of the film.

In a thriller, overcoming this inner flaw may not only be essential to surviving the outer threat but may bring its own high stakes – for example, the hero may risk going mad, losing his/her moral soul, becoming as morally corrupt as the antagonist etc.”

Be aware, however, that establishing this ‘inner’ journey is not easy. If not carefully threaded into the story it may feel contrived and inauthentic. Also fight the temptation to opt for clichés. The inner story allows for a better understanding of the ending (and theme).

Ending

In relation to the ending, another wise advice from Charles, in his own words:

“If there has been a flaw, then the flaw can be overcome. Repentance can be given. Restitution made. If this is managed in time, then the ending is a happy one. The vast majority of thrillers have happy endings, but not all. If the ending is not to be happy for the protagonist, it is important to plant this idea very early on. A mixed or ironic ending is probably safer – giving the audience some sense of achievement while hinting at other issues that are either darker or lie in wait for some future re-emergence (and a sequel or sequels to come!)”

To learn more about genre or thrillers, take a look at TwelvePoint.com articles (it’s only £29 per year to subscribe) or keep an eye on the forthcoming Euroscript workshops.

****

 

Filmes do Gênero Thriller

In English

Você gosta de se ver sentado(a) na beira da cadeira do cinema? Você gosta de se sentir ansioso(a), assustada(o) e temer pela vida do(a) protagonista? Ou de admirar um antagonista genial? Ou de queimar os miolos tentando encontrar uma saída para sua(seu) herói/heroina favorito(a)? Bom, isso é o que um bom Thriller deve proporcionar.

 Este workshop do Euroscript, “Thriller Movies”, é parte de uma série de sessões de treinamento em “Gênero e Desenvolvimento” da qual participei em abril deste ano. A série inclui sessões mensais sobre: Comédia Romântica, Horror e Noir, Drama Social ou Amadurecimento (como traduzir Coming of Age? Quem souber, me avisa), Gangster e Detetive e História Real e Histórica – pretendo participar deste último se eu ainda estiver no Reino Unido, em novembro.

Decidi participar deste workshop sobre “Thriller” porque estou escrevendo um livre que contém elementos de thriller, apesar do workshop focar em roteiros. A despeito da minha agenda ligeiramente diferente, foi muito útil e me ajudou a entender melhor esse tipo de estória de forma que posso aplicar esse conhecimento no meu livro.

Primeiro, um pouco sobre gênero

Entender gênero, de acordo com o professor Charles Harris, é crucial para uma boa compreensão da expectativa do público, o que vai permitir o(a) escritor(a) atender a essa expectativa com uma “virada”. Este é o desafio: gerar expectativa ao máximo e atendê-la de forma imprevisível, do contrário, o público se sente frustrado ou enganado. Portanto, entender quais são as expectativas do público em relação à estória que você está criando, entender o gênero, é muito útil.

Por outro lado, nem todas as estórias se encaixam em uma única categoria de gênero específica e tentar espremer sua estória para que ela possa caber em um molde vai prejudicá-la. A maior parte dos filmes contêm elementos de gêneros diferentes, apesar deles provavelmente focarem (ou deverem focar) mais em apenas um – o que vai determinar a força motriz primária e as expectativas básicas. No entanto, cada gênero utilizado num filme deve satisfazer e atender suas próprias expectativas. Pode ser extremamente difícil identificar os gêneros contidos na estória ou no roteiro que você está escrevendo.

Os principais “tipos” de gêneros

De acordo com Euroscript, existem três tipos distintos de gêneros. Alguns deles são distintos em relação a:

Forma: Paródia, Fábula, Novela, Estória Verídica, Docudrama, Documentário, Jogos e formatos televisivos como: Noticiário, Comédia de Situação (sitcom), Anúncios, Progamas de Jogos etc.

Estilo: High style (os ganhadores de Oscars!), Produções Independentes, Filmes de Arte, Musicais, Filmes para TV, Vídeo Clips, Thriller etc.

Tipo: Horror, Crime (Gangster/Detetive), Drama (Amadurecimento ou Coming of Age, Rito de Passagem, Road Movie, Drama Médico, Drama Político etc), Épicos Históricos, Ficção Científica, Fantasia/Sobrenatural, Biografia, Esporte, Comédia, Filme de Guerra etc.

Expectativa do público e emoções

As perguntas principais a serem feitas no que se refere à experiência do público são:

. Que tipo de filme é esse? (aumentar a expectativa)
. O que o público espera deste tipo de filme? (satisfazer expectativas)
. É previsível ou novo? (surpresa)

Expectativas têm tudo a ver com emoções. O filme foi capaz de fazer você sentir tais emoções? Algumas delas são bem simples e diretas: A estória de horror deu medo? A comédia era engraçada? O thriller fez você roer as unhas? Nem todos os gêneros vão proporcionar emoções tão fáceis de identificar mas, de qualquer forma, é preciso saber quais emoções você pretende inspirar nas pessoas que vão assistir ao filme que você escreveu.

O maior desafio de todos os gêneros é encontrar novas abordagens, novos elementos, um frescor. Por que O Exterminador do Futuro funciona para mim? Quando você conta pros amigos: Assisti a um filme sensacional! É a estória de uma moça que vai se tornar, no futuro, a mãe do herói rebelde que vai defender o mundo das máquinas que tomaram o poder e estão exterminando a humanidade. Um robô é enviado para matá-la e impedi-la de dar à luz este cara. Ok, parece bem legal mas o que tem de sensacional nisso? A meleca do robô é indestrutível! Caraca: totalmente impossível de matar!

Exterminador do Futuro 2 também é sensacional porque a meleca da máquina se tornou ainda mais impossível de destruir – e pode se transformar em qualquer coisa: uma pessoa, um piso, uma lâmina de aço! Como a mocinha vai poder escapar disso? Até então, monstros eram muito maus ou coisas terríveis (ou pessoas terríveis) mas eles podiam ser destruídos. Podia custar a vida de muitos, ou mesmo auto-sacrifício, mas eles podiam ser exterminados. Esse monstro não. Claro que o monstro é destruído no final… será?

O filme do gênero Thriller

Existem muitas fontes de consulta sobre gênero e diferentes autores vão ter diferentes abordagens e opiniões sobre eles. A revista online para a indústria de cinema e tv TwelvePoint.com offerece vários artigos excelentes sobre isso (em inglês). Não vou, portanto, me demorar muito falando sobre gênero, mas no que aprendi sobre esse em particular: o Thriller.

As emoções principais em um thriller são: assustar, colocar você em suspense, e colocar você na beira da cadeira roendo as unhas.

O Thriller tem muitos paralelos com o gênero Horror e, às vezes, filmes são uma combinação de ambos – tanto com o horror “natural”, quando o monstro é, por exemplo, um assassino em série (Silêncio dos Inocentes) ou um pistoleiro (Colateral); ou “sobrenatural”, como um ser extra-terrestre (Aliens), um aninal (Tubarão) etc. Neste caso, o(a) escritor(a) também precisa lidar com as questões do gênero Horror: o(a) protagonista é ativo(a) e não fica paralizado(a), há uma armadilha (e também uma rota de fuga), e tem clima. Thriller também pode ser baseado em outros gêneros, como Ação (Duro de Matar), Aventura (O Dia do Chacal), Noir (Veludo Azul), Crime (The Wrong Man) e outros.

Um elemento crucial em um thriller é credibilidade. O público precisa acreditar, para além da dúvida plausível, que não há alternativas de fuga para o protagonista. A trama precisa ser impecável e a motivação dos personagens, sólida. Portanto, pesquisa é essencial – isso garante que os procedimentos são retratados de forma consistente e os detalhes cruciais são convicentes.

Elementos do Thriller

Existem elementos importantes a considerar:

. Não esqueça de excitar (thrill). Acredite, existem escritores(as) de thriller que pensam mais na ação em si (sequência de ações ou eventos) do que em construir e fazer o suspense aumentar cada vez mais. É preciso haver uma proporção grande de cenas muito tensas que, progressivamente, aumentam de intensidade.

. Não se prenda a explicações e em estabelecer contexto. Portanto, o conselho de Charles é: não peça desculpas, não explique, não escreva cenas tediosas para estabelecer contexto. Nas palavras dele: “mergulhe seu público imediatamente e ofereça informações em conta-gotas somente quando o público estiver implorando por elas.” Perguntas são boas – são melhores do que respostas.

Dê uma olhada no excelente post escrito pelo roteirista John August (Charlie e a Fábrica de Chocolate, As Panteras, Big Fish) – o site dele para roteiristas é espetacular – sobre como lidar com conceitos complexos que são importantes para a trama (How to explain quantum mechanics).

Nesse post ele oferece uma solução elegante e especialmente simples (take away the question) para a “armadilha” em potencial de Minority Report: a explicação da ciência da precognição. O John August foi o roteirista que escreveu esta cena.

. É preciso, no entanto, apresentar ao público a “normalidade” do(a) protagonista antes que você a perturbe. Isso é crucial porque você, como público, precisa se importar com o(a) protagonista. Se o público não dá a mínima para o que acontece com o herói ou a heroína, por que cargas d’água irá sentir medo, ansiedade ou torcer por ele(a)? O Charles fala de estabelecer o personagem e, depois, forçá-lo a encarar seus defeitos e superá-los.

Em Colateral (escrito por Stuart Bernie), por exemplo, a normalidade do motorista de táxi é estabelecida desde o princípio, assim como o seu defeito: ele quer conquistar seu sonho (ter um serviço de limosine) mas não age o suficiente para transformar seu sonho em realidade. No final de sua trajetória como protagonista (o horror que ele vive nas mãos de Vincent), o motorista de táxi é forçado a aprender que ele não pode mais simplesmente fugir, ele vai ter que encarar seu inimigo e agir. E ele o faz. A lição, portanto, é aprendida e é provável que isso possibilite a ele conquistar seu sonho no futuro.

. Perigo é um elemento crucial. O protagonista precisa estar em perigo a maior parte do tempo.

. O que está em jogo precisa ser claro e valioso. Normalmente, isso é mostrado através das piores e mais aterrorizantes ações do vilão – o vilão é mau, excepcionalmente bom naquilo que faz (o que quer que seja) e ele o faz de uma forma particularmente cruel. Suas ações começam o mais breve possível na estória. O que está em jogo inclui: vida ou morte, dor extrema, a família ou melhor amigo(a) do protagonista em perigo etc. Em Dia de Treinamento (Training Day), com Ethan Hawke and Dezel Washington, o antagonista enfia um revólver na cara do protagonista nos primeiros cinco minutos de filme. É uma mensagem poderosa estabelecida logo de início: Vou passar duas horas com um homem imprevisível e perigoso que tem sua própria agenda.

. É preciso haver momentos de trégua para o público. Esses momentos podem ser breves e muitos filmes usam humor (cuidadosamente inseridos) como forma de aliviar a tensão. Eles dão ao público um intervalo curto para recuperar o fôlego, afinal, ele sabe que coisas piores estão por vir e lhes dá um momento de trégua. E também pode proporcionar ao público um momento para absorver a trajetória interna do herói ou heroína.

. Lembre-se sempre – em qualquer gênero: perguntas são mais importantes do que respostas. Não estabeleça um personagem, dê a ele perguntas. Em Thriller (de fato, na maioria dos gêneros) personagens precisam ser estabelecidos logo de início porque precisamos nos importar com o que acontece com eles de forma a nos engajarmos na estória.

O defeito do protagonista

O protagonista, como eu disse acima, precisa superar seu defeito básico. Charles enfatiza isso o tempo todo. Enquanto o arco externo da estória será centrado na luta do protagonista para vencer ou escapar do antagonista; o arco interno vai focar nos defeitos que geraram esse antagonismo. Charles diz:

“Esse defeito é interno ao personagem – alguma culpa, erro ou outro problema. O defeito pode ter causado aquilo que fez o antagonista se virar contra ele(a) – mas, seja o problema original culpa dele(a) ou não, seu defeito é o que o(a) impede de escapar ou vencer seu inimigo durante a maior parte do filme.

Em um thriller, superar seu defeito pode não apenas ser fundamental para sobreviver à ameaça externa, mas também pode vir acompanhado de coisas pessoais que estão em jogo – por exemplo, o herói pode correr o risco de ficar louco, perder seu senso moral, comprometer sua alma ou se tornar tão moralmente corrupto quanto o antagonista etc.”

Mas saiba que estabelecer essa jornada interior não é fácil. Se ela não for cuidadosamente costurada na estória, poderá soar artificial e fabricada. É preciso também lutar contra a tentação de usar clichês. A jornada interior permite uma melhor compreensão do final da estória e do tema. 

O final da estória

Em relação ao final, uma outra sugestão interessante de Charles, nas palavras dele:

“Se há um defeito, então esse defeito precisa ser superado.Pode-se oferecer arrependimento, restituição. Se isso for resolvido a tempo, então há um final feliz. A grande maioria dos thrillers têm final feliz, mas não todos. Se o final não é feliz para o protagonista, é importante plantar essa idéia o mais breve possível. Finais mistos ou irônicos são provavelmente mais seguros – dão ao público um certo senso de conquista e, ao mesmo tempo, tocam em outras questões que são ou sombrias ou aguardam por uma ressurgência futura (e uma sequência do filme ou várias sequências por vir!)

Para aprender mais sobre gênero ou thrillers, dê uma olhada nos artigos da TwelvePoint.com (por aprox R$100 por ano você pode se tornar membro) ou fique de olho nos próximos workshops da Euroscript.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: